2013-09-12

Cãs

 fonte

Tenho um batalhão de brancas a bater continência às rugas que se perfilam para a inspecção das cãs. E afinal já não é hoje que lhe mudo o uniforme...

14 comentários:

O carteira vazia disse...

uma reflexão muito porreira sem duvida! olha fiquei a seguir o teu blog!

http://ocarteiravazia.blogspot.pt /

Diana Filipa Fonseca disse...

Gostei imenso da forma como escreve.

Vou seguir.

Se gostar do meu canto, siga de volta!

Hipatia disse...

Obrigada :)

Mas este blogue anda cansado. Está velhote e em declínio. Ao fim de nove anos a escrever coisas, já não há muitas coisas para dizer :)

Hipatia disse...

E obrigada a ti também, Diana. Já estás ali na lateral para tentar acompanhar o teu :)

deep disse...

Sempre que alguém me pergunta se pinto o cabelo, digo do cimo dos meus 44 anos que ainda não preciso, mas, só para não me armar aos cucos, tenho vindo a notar que, nos últimos tempos, as brancas se multiplicam. Muito contra minha vontade, lá terei de começar a escondê-las, já que as rugas também têm tardado por aqui.
:)

Hipatia disse...

Uma senhora de idade resumiu-me as coisas com um provérbio: "até aos quarenta bem passo, depois dos quarenta dói-me uma perna e dói-me um braço". Pois eu tenho brancas desde bem antes dos "entas" e as rugas são poucas. Mas o que me pesou que nem uma tonelada foram os olhos, minha amiga: de um momento para o outro, dei por mim em manobras para ler as bulas dos medicamentos. Nada mas mesmo nada me fez sentir as quatro décadas como o raio das letras pequeninas :(((

Zu disse...

Bem vinda ao clube, Hip! Já uso lentes progressivas há mais de um ano (melhor invenção à face da terra). Diz-me o oftalmologista que chega a todos depois da entrada nos "entas"; mais ano menos ano, raramente se escapa a este problema.
Sobre brancas nem falo, que andam (razoavelmente) disfarçadas e há quem não imagine sequer que pinto o cabelo por causa delas desde bem antes dos 40.

Hipatia disse...

Ainda não estou nos progressivos, Zu, mas a médica já me foi avisando que se calhar já não lhes escapo na próxima revisão :(

Mas queres saber a melhor? Estava para ali eu a sentir-me ceguinha por já não conseguir ver sem óculos as letras minúsculas que põem nas laterais dos pacotes a dizer quantas KCal e a maioria das bulas dos medicamentos e a médica também me disse que vejo melhor do que mais de 70% da população portuguesa e que a grande maioria nem se dá ao trabalho de pôr óculos. Fiquei seriamente preocupada com todos os condutores com que me cruzo diariamente. E eu desde os 5 anos que tenho óculos e/ou lentes.

Zu disse...

Somos duas! Eu foi logo a seguir a fazer 6 anos. E acredito piamente no que a tua médica disse, conheço casos assim. O que vale é que a má visão é para o perto e não para o longe, pelo que os condutores devem ver bem a mais de um palmo do nariz. Ou pelo menos assim espero.
(Eu estava com medo dos óculos progressivos, de não me habituar, de me sentir com óculos de velhinha, etc, etc - saí com eles postos da loja, encantada, a descer escadas sem receio de tropeçar como já me acontecia, e habituei-me num ápice! Dão um enorme conforto e melhoram imenso a nossa qualidade de visão e de vida).

Hipatia disse...

Sim, Zu, a partir dos "entas" há muita gente com a chamada "vista cansada". Mas não era desses que falava a minha oftalmologista e isso é que me assustou :/

Zu disse...

E agora assustei-me eu! :/

Hipatia disse...

Pois!

(Fui hoje à medicina do trabalho; acho que chumbei no teste oftalmológico. Esperemos ter passado no electrocardiograma :D)

Zu disse...

Talvez o patrão te pague uns óculos de ver ao perto. Afinal, usas os olhinhos no trabalho, deverá poder ser considerado uma doença profissional:P

Hipatia disse...

Se há coisa onde, felizmente, o meu sector ainda não foi severamente assaltado, é na assistência médica. E além do subsistema, o patrão complementou com seguro de saúde. Os óculos e as lentes ficam-me de facto muito baratos. Ao preço daquela uva...