2019-04-20

Palavras

“Words are things. You must be careful, careful about calling people out of their names, using racial pejoratives and sexual pejoratives and all that ignorance. Don’t do that. Some day we’ll be able to measure the power of words. I think they are things. They get on the walls. They get in your wallpaper. They get in your rugs, in your upholstery, and your clothes, and finally in to you.”

― Maya Angelou

2019-04-16

Dia da voz

Dedilho acordes de memórias banais. Não tenho história. Não tenho reino. O meu Universo é um tecto baixo e as estrelas vão fugindo. E, em dias assim, muito mais do em tantos dos anos em que tive diariamente a voz em fuga, estou muda.

2019-03-07

Violência contra as mulheres


É certo que, de certo modo, estamos todos mais atentos. Mas isso não tem servido de nada às tantas de vítimas, mesmo quando denunciam, mesmo depois das queixas na polícia, mesmo quando nem assim estão seguras. Quando chega a julgamento, sabe-se lá que código vão aplicar, ou se vai ser tratada de vadia e humilhada com a Bíblia.

Se mudou alguma coisa depois de passar a "crime público"? Mudou: todos podemos denunciar, quando nos deixamos das velhas tretas do "entre marido e mulher" e o crime não desaparece quando a mulher, quase sempre coagida, retira a queixa.

Mas isso não quer dizer que não esteja praticamente tudo mal à mesma. Com uma excepção: ainda que a carnificina continue, agora tem forma de estatística religiosamente "printada" nos jornais.

Das virgens ofendidas

O Sr. Dr. Juiz, tão ofendido no seu bom nome, contratou para o representar um senhor advogado que faz comentários da mais baixa boçalidade, mas que pelos vistos não é suposto ofenderem o nome de ninguém.

Diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és...

2019-02-21

Boatos

Quando as cidades nasceram sub sino, os adros encheram-se de histórias e carpideiras e boatos. Mas as cidades cresceram e, quando não vigiados pelas senhoras de lenço à janela ou pelo olho que tudo vê, andamos a pôr-nos alegremente em rede, mostrando muito mais do que queríamos. E esta rede também está cheia de histórias e carpideiras e boatos.

2019-02-05

Equilíbrio

Teria sido mais fácil se tivessem imaginado o demo como mulher. Talvez à conta das artimanhas. Ou apenas para haver um mundo balançado entre opostos. Mas a balança ficou torcida e misógina, sobrando de um dos lados apenas demónios e bruxas e a tradição popular é que fez santas quem a doutrina queria putas. E vai dai, por conta do equilíbrio, reza-se mais uma Ave-Maria, enquanto se encomenda a alma ao Pai-Nosso.

2019-02-02

Bestas

É tão fácil chamar besta a alguém! Ouço as notícias em pano de fundo e lá estão umas quantas reportadas. E, no entanto, as bestas, as verdadeiras, não se agridem por motivos ideológicos, nem se matam por fanatismo. Talvez seja por isso tão monstruoso: passa muito além da bestialidade e fica-se pelo mais feio, cru e podre que a humanidade possui.

2019-01-27

Subsino

Em mais um Dia Internacional em Memória das Vítimas  Holocausto e depois de mais um atentado à bomba a igrejas na Indonésia, caio na asneira de entrar numa caixa de mensagens frequentada por americanos evangélicos daquele tipo mais idiota, inculto e fundamentalista, o que quase me provoca uma apoplexia e só me apetece correr com aquela gente à lambada.

Não que não haja malucos de todas as denominações e os que estavam na igreja até eram cristãos e os bombistas fundamentalistas islâmicos. Mas admito que tenho umas visões muito pessoais sobre as religiões organizadas, começando com o desprezo que nutro por aquela ideia absurda de que viver tem de ser em sofrimentos e que se deve é esperar felicidade para depois de um desgraçado bater a bota. E imaginar um mundo do além onde teríamos essa tal de felicidade garantida, sentaditos numa nuvem muito branca, a ouvir salmos e cânticos celestiais e a gramar com um sem assunto que faria qualquer pessoa desejar antes o Purgatório, é dos cenários mais bizarros que consigo conceber. Já agora, será que as muçulmanas têm direito a 70 virgens ou como são só meio ser humano só tem direito a 35? E porque cargas de água se havia de sentir feliz uma mulher com um qualquer fedelho mal preparado, pior ainda um harém da mesma espécie? Ou por que é que virou piada de stand up um judeu ortodoxo dizer que antes cocaína do que um bocado de presunto?

Aliás, estou convencida que Deus – se existe mesmo – nos deu em alternativa à promessa do dogma, aos livrinhos reescritos e mal traduzidos um milhão de vezes, à pasmaceira da nuvem, à reencarnação como formiga e à ineptitude do harém, a capacidade de viver plenamente enquanto ser vivo sexuado e hedonista. E um bocadinho egoísta também, que é para  ver se a tal da felicidade não tem que ser adiada para as calendas dos mitos. Ou deixamos de nos matar uns aos outros em nome de um Deus que supostamente é de todos, ama todos, independentemente do que os Homens fizeram quando resolveram reunir-se cada um à volta dos seus e dos seus livrinhos, enquanto transformavam cada casa de oração numa Torre de Babel.