2007-09-08

Estou de volta


Almourol


Senti-me muitas vezes uma princesa estas férias enquanto escalava ruínas e media o horizonte bordejando rios e ribeiras. O tempo – quase sempre demasiado ventoso e até com chuva em alguns dias – fez-me esquecer que havia praia e levou-me até aos verdes e amarelos e ocres da paisagem cada vez mais despida de pessoas do Portugal esquecido pelas gentes e pelo investimento que prende o povo às terras. Lamento as pernas ainda excessivamente brancas para mostrar no vestido de cocktail demasiado curto que comprei para o casamento a que vou no início de Outubro. Mas não lamento a paz que me veste e me despiu dos cansaços dos tantos meses de labuta sempre à espera deste pequeno momento de paraíso a que chamo férias.

E senti-me muitas vezes uma princesa, lá no meio das pedras onde um dia viveram reis e nobres e plebe e escravos e frades e caminhantes e até gigantes. Lá, por entre as pedras, tão longe do bulício da cidade, tão distante do barulho, para além do chilreio dos pássaros ou do murmurejar de águas correntes e árvores ainda vivas e até daquele pequeno sopro de som, tão leve que quase nem o notámos, dos campos despidos do estio.

Uma princesa… Misaguarda...

E quase tive vontade de atirar tudo para trás das costas, largar a cidade já demasiado grande e partir para uma vida nova, lá onde ainda as águas se abrem em piscinas no meio do rio ou onde um engarrafamento se mede pelos dois carros que resolveram sair à rua à mesma hora que nós e circulam agora à nossa frente nuns agonizantes cinquenta quilómetros à hora. Lá, onde as pessoas ainda vivem em casas e têm quintais e roseiras a colorir a ombreira da porta. Lá, de onde toda a gente fugiu e onde eu jurei que saberia ser feliz, houvesse investimento e emprego e mais do que a paisagem que quase me fez sentir uma princesa para me dar mais do que o sonho de um dia partir lá para o meio da lonjura e ter uma casa branca, com roseiras por baixo das janelas e com ombreiras das portas coloridas e um jardim com uma macieira perfumada e um banco debaixo de um caramanchão florido e onde à noite ainda se vêem estrelas e o barulho é feito apenas de cigarras e grilos e pássaros e árvores onde bate o vendo e algum riacho mais caudaloso.

Mas até as princesas precisam arranjar o que comer e não há sonhos que nos encham a barriga nestes pedaços do País cada vez mais despidos de gente, onde já quase só sobram os velhos e não há esperança na raia fronteiriça do esquecimento.

5 comentários:

jp disse...

pedras altas mouriscas a cheirar a flores é sempre a 2º hipótese a considerar.
deixa o branco das pernas, a gente não as conhece de outra cor
e quando estiveres fartinha da cidade que te sufoca, fecha os olhos e, lentamente deixa que o vento te leve de novo ao castelo.
:)*

Hipatia disse...

O pior é quando o cansaço é tão grande que já nem a imaginação me vale, J.P.

E pela amostra do dia de hoje, bem vou ter muito de penar até poder fugir mais uns dias :(

claire disse...

hehehe que bom volto a joaninha

Hipatia disse...

arejada ;-)

beijoca!

Anónimo disse...

Mais Vozes

mudar de vida não é fácil, mas as princesas sabem disso e quando tomam uma decisão, tomam-na e pronto!
fábula | Homepage | 09.09.07 - 2:52 pm | #

--------------------------------------------------------------------------------

p.s.: é normal que as férias saibam a pouco e que em férias se deseje sempre o que não se tem no resto do ano!
fábula | Homepage | 09.09.07 - 2:53 pm | #

--------------------------------------------------------------------------------

Eu ia! Ia mesmo, sabes? Até porque ninguém quer ou pode ir e, os que ficam, fazem ainda alguma coisa. Aqui já não há tempo e o stress leva-nos o que sobra de vontade
Hipatia | Homepage | 09.10.07 - 1:46 pm | #

--------------------------------------------------------------------------------

Subscrevo os teus pensamentos. Já pensei tantas vezes no mesmo.
cachucho | Homepage | 09.10.07 - 7:29 pm | #

--------------------------------------------------------------------------------

Acho que sofremos do mesmo mal: a profissão, lol
Hipatia | Homepage | 09.10.07 - 9:41 pm | #

--------------------------------------------------------------------------------

Pois…
Também tenho uma foto igualzinha a tua .
Penso que as festas de Constância devem de ser por esta época que se aproxima
Durante alguns anos fechei a época dos mergulhos no primeiro fim de semana de Outubro. Residência e banhos parque de campismo de Castelo de Bode , logo ali junto ao paredão da barragem . Ilha do lombo tudo aquilo é demasiado bonito para nos querer-mos vir embora .
Penso que te entendo…
frogas | 09.29.07 - 4:40 am | #