2011-08-12

Este ano o Inverno ainda vai ser mais frio

«O ministro das Finanças, Vítor Gaspar, anunciou hoje que a partir de Outubro o IVA sobre a electricidade e gás passa de 6% para 23%, antecipando uma das medidas de consolidação orçamental programadas para 2012.»
Fonte


Foda-se!

8 comentários:

Izzie disse...

Foda-se MESMO.

(sou eu, a you know who, com novo nick)

deep disse...

Mesmo! Pergunto-me se os senhores vão abdicar do ar condicionado nos gabinetes ou se nós continuamos a pagá-lo, enquanto passamos frio nas nossas casas.

Hipatia disse...

Mesmo, mesmo, mesmo. E espera só para ver qual é essa taxa máxima de IVA, que a que está não dura muito :((

Hipatia disse...

E nem dá para pôr uma gravata e resolver a coisa :(((

pé-de-cereja disse...

Excelente título!
E também estou à espera do IVA.

Vítor Fernandes disse...

Fartam-se de consolidar e de por em ordem as contas públicas. Andam nisto há mas 30 anos.

Hipatia disse...

Hoje lá vinha a notícia apologista da praxe no Jornal Negócios acerca de, com estas medidas, estar resolvido o "desvio colossal" (BPN do Cavaquistão e Madeira do AJJ à cabeça como grandes culpados, mas isso agora não interessa nada) e não serem necessárias mais medidas para garantir o cumprimento do limite para o défice deste ano. Do lado da despesa, também não interessa falar, que há demasiados motoristas e assessores para a comunicação social a serem nomeados, tirando naquele pequeno pormenor que nada foi feito para a reduzir. Pagam, por isso, os de sempre. E quando descer a TSU, vamos todos levantar as mãos à cabeça, por mais que nos "jornais do regime" nos tentem assegurar que o pior já está. E é o que temos, Pé-de-Cereja: a certeza que o pior ainda está para vir :((

Hipatia disse...

Andam nisto desde sempre, com a alternância como grande cúmplice, Vítor. E quando já nem se esbanjam fundos comunitários em putas e vinho verde, é vê-los a gastar à nossa custa, com dinheiros que não há, a juros de usura que alguém, no futuro, terá de pagar. Só que o futuro bateu-nos à porta e agora já não há como fugir, especialmente se a conta for apresentada aos papalvos do costume: a classe média que já nem tem trocas para mandar cantar um cego, mas que terá de continuar a apertar o cinto.

Bem-vindo ao Voz em Fuga :)