2013-06-12

Vida a preto e branco



Enquanto o Verão finge que chega para se provar logo a seguir sol de pouca dura, começo a ponderar as virtudes dos auto-bronzeadores cada vez que dou com o trombil (e as pernas, credo! as pernas...) logo pela manhã no espelho a que não consigo escapar porque a caminho do sítio a que ninguém consegue escapar pela manhã (se fizerem muito caso, eu digo que me estava a referir à retrete, mas é só se fizerem mesmo muito caso). É que eu a cores e se não estiver pintada tenho ar de alma penada acabada de sair da tumba. Assusto-me a mim mesma! Ninguém merece e logo pela manhã, ainda com a bexiga demasiado cheia. Sim, que o medo e as bexigas cheias raramente dão bons resultados e, com um olho aberto e outro ainda fechado, ver um fantasma desgrenhado não é exactamente o melhor dos bons-dias. Porque raios não me devolve o espelho imagens a preto e branco? É que nunca se notam tanto os defeitos, bolas! E a última vez que experimentei um auto-bronzeador fiquei amarela. E pior que uma alma penada a cores, só mesmo uma alma penada com ar de sofrer de icterícia.

4 comentários:

pé-de-cereja disse...

:))))
E as fotos a preto e branco?! Nunca sei se são lindas pela técnica em si mesma, se por eu estar muuuitos anos mais nova!

Paulo Abreu e Lima disse...

LOL

Diz lá qual era a cor em que te querias ver metida, vá... :P

Hipatia disse...

Estou mesmo convencida que toda a gente fica melhor em fotografias a preto e branco, Cereja. E nem precisam ser fotos antigas. Acho que o agravamento dos contrastes desagrava a evidência dos defeitos :D

Hipatia disse...

Então não se está a mesmo a ver que era a preto e branco? Eu até quando escolho clube de futebol vou-me ao preto e branco. Mas agora pergunto eu: e em que cores é que querias tu ver-me metida?