2004-08-30

Agora não posso. Estou sentada.

Não tenho tempo nem para criar nem para destruir. Não tenho tempo para semear, ou para colher, ou tão só para queimar. Não tenho tempo para ir às compras ou para ir pintar o cabelo. Não tenho tempo para plantar uma árvore, regar as plantas, fazer um bolo. Não tenho tempo para deixar crescer a árvore, ou deixar as flores abrirem, ou ver o bolo crescer. Não tenho tempo para destruir o que criei, nem ver arder, nem ver murchar. Não tenho tempo.

O meu comodismo sentou o meu rabo numa cadeira e não me deixa ter tempo para nada. Sou um simples exercício de preguiça.


fiz um teste aqui


6 comentários:

vanus disse...

Mas a perguiça, well...dá trabalho quando bem exercitada ;)

Hipatia disse...

Claro que dá. Muito trabalho. E nem é um pecado assim tão mau. A verdadeira tragédia seria ter aliado a gula à preguiça. Mas não faço bolos :)

Obrigada

nocturnidade disse...

pelo menos tem tempo para nos contar tudo isso, o que só por si é bom. :)

Hipatia disse...

Ando a tentar preencher o espaço com palavras. Talvez assim leve a melhor à preguiça :)

Obrigada

corpo visível disse...

Gostei muito da troca de poemas! :)

Hipatia disse...

Então vou abusar mais :D
Mas ainda vou continuar à procura das palavras reais ;)