2008-03-13

Das setas

Eis o malandro na praça outra vez
Caminhando na ponta dos pés
Como quem pisa nos corações
Que rolaram nos cabarés

Entre deusas e bofetões
Entre dados e coronéis
Entre parangolés e patrões
O malandro anda assim de viés

Deixa balançar a maré
E a poeira assentar no chão
Deixa a praça virar um salão
Que o malandro é o barão da ralé



(c'um caraças!)

4 comentários:

maria_arvore disse...

lol

Quando faltam tomates e ideias, nada como ostentar um símbolo fálico. ;))

The F Word disse...

Há aqui qualquer coisa que me lembra a canção do bandido... :)

Hipatia disse...

Tens razão: se querem dar cabo da simbologia toda, que fiquem pelo menos com a piroca ao alto. Não sei é se não vai ser antes a melhor maneira de brochar de vez :S

Hipatia disse...

E há bandidos que nunca perdem a voz. Mas deviam!