2007-01-29

Dalinesco


Spellbound


Não tenho nada. Absolutamente nada. Nada, senão um miserável molusco enrolado entre as suas duas conchas. Que não quer pôr a cabeça de fora. Medo das bombas, suponho. Mas sei que estou a mentir a mim próprio. Na realidade, o meu quarto está apinhado de gente. Rebenta pelas costuras. À volta da minha cama erguem-se espectadores em sentido. E não são uns espectadores quaisquer! Toda uma panóplia de sandinistas, cubanos, moís, satarés, em pêlo ou fardados, empunhando as suas bestas ou as suas kalachnikov, acobreados como estátuas, aureolados de poeira gloriosa. E têm uma bela tusa, os fulanos! E, de mãos nas ancas, montam-nos uma sebe de honra densa, tensa, arqueada, que me corta a respiração.

Daniel Pennac – O Paraíso dos Papões


De que coisas se fazem os pesadelos?

10 comentários:

Fontez disse...

interessante post.
...

Anónimo disse...

Dos nossos medos, não tenho dúvidas. Mas também das nossas angústias, das nossas incapacidades.
E o mar delas, as nossas incapacidades.

Anónimo disse...

Dos nossos medos?... Do que nos assusta e queremos moldar?... Dos gritos que calamos acordados?...

ela anda a partir pedra e eu nas tintas disse...

daniel pennac,Se bem me lembro pus a minhas crias a ler dele.

Pedro disse...

Estou aqui a conversar com o gaivina ao telemovel e ja fiquei cativado com o teu blog.
Linka-me para novas aventuras .
confere com o gaivinas as minhas melhores edições....
http://pedroboavida.blogspot.com

Hipatia disse...

Obrigada, Fontez :)

Bem-vindo à Voz!

Hipatia disse...

Marta (pelo menos acho que eras tu, mas isto transformou-te em anónima com a passagem para a treta do New Blogger) sabes que concordo contigo? A maioria dos nossos pesadelos faz-se com a certeza e mais ainda a suposição das nossas incapacidades...

Hipatia disse...

Maria Árvore, também viraste anónima :S

Raios! Bem me queria parecer que não era boa ideia fazer a troca... Queres ver que perdi o vosso nick em todas as caixas de comentários? Como se reclama de uma coisa destas? E estava eu a falar de pesadelos... Apre!

Hipatia disse...

Eu gosto do Pennac, Claire :) E gosto muito do Senhor Malaussène e a sua vocação para bode expiatória de toda uma série de crimes de uma Paris muito especial :)

Hipatia disse...

Já ali estás, Pedro :) E diz-me a essa passarola para aderir ao novo blogger que, para já, voltou a ser um sem blogue.

Bem-vindo à Voz.