2007-01-22

Perpétuas


Joana Fomm como Perpétua

É o que eu digo, deixam-nas ir à escola, aprender coisas mais para além de saber conferir os trocos na mercearia, e é o que dá. Daí a nada estão a trabalhar, usar calças, viajar sozinhas, a viver em pecado com homens, a tomar a pílula e a dizer que não querem isto e aquilo porque pensam assim e assado. Umas terroristas. E eles não lhes ficam atrás, os malandros, que os há por aí que até gostam destas mulheres arraçadas de homem, jasus.

I.
, em resposta a este post.

Hoje vi uma Perpétua na televisão à hora de almoço. Estava em tempo de antena com formato de notícia, vermelhusco e cheio lá das suas razões. Vestia sotaina e tudo... Mas só me lembrou a irmã da Tieta que, depois, quando fomos a ver, tinha um grande segredo escondido no armário…


Novela Tieta - Perpétua Voando


(...mas eu sempre tive uma imaginação desbragada…)

14 comentários:

maria_arvore disse...

:)))

Sabe-se lá o que ele guarda nos armários... ;)
(ora vê lá isto:
http://www.youtube.com/watch?v=3G66-DvaHc4)

De qualquer forma, julgo que estão desesperados e com medo de perder.

maria_arvore disse...

Correcção: o que eu queria dizer era: sabe-se lá o que lhe pode sair do armário. ;)

Hipatia disse...

Fui ao YouTube buscar a Perpétua para o post. Não resisti, depois de me "dares" os Gatos :)

Hipatia disse...

E com isto, nem te respondi, lol.

Dizia-se que os exageros do SIM iam afugentar eleitores. Pergunto-me agora se o NÃO estará a fazer melhor figura...

piolho disse...

No fundo eu acho que há muito mais que um referedum em jogo. Gostaria que o meu pais tivesse esta oportunidade, mas nos não temos remedio.

deep disse...

Dessas há-as por aí aos pontapés! Talvez precisem de alegrar a vista - e não só! - com um ramalhete igual ao que me enviaste há dias. Ah! Obrigada!

TheOldMan disse...

Neste momento a campanha para o referendo começa a parecer-se com uma disputa entre duas escolas de circo...

Mas os palhaços são mesmo do pior...

;-)

Anónimo disse...

O pior é que não existe só um padre a dizer coisas de bradar aos céus, é toda a Igreja.
Desde o príncipio que a campanha do Não mete nojo.
O Não está a lançar todos os "demónios" e ainda há muitas pessoas que acreditam neles.
Que atrasados que estamos!

Hipatia disse...

Olá, Piolho :)

A mim parece-me que todos querem que seja mais do que um referendo; e que seja mais do que a pergunta a referendar. Talvez por isso se perceba cada vez mais nos debates um extremar histérico de tudo menos a mais simples das perguntas: deve uma mulher ser criminosa e presa por abortar, cumprindo prazos legalmente instituídos?

Hipatia disse...

Dessas e desses, lol. Como os há no extremo oposto. E o circo já está a arder :)

Hipatia disse...

Palhacinhos sem graça, mesmo quando parecem (apenas) uma enorme piada, Old Man. E demasiada poeira no ar, menos o realmente importante. E um fedor cada vez maior a fundamentalismo por qualquer lado por onde se olhe. Talvez por isso eu comece agora a olhar para a coisa para ver a piada grosseira e pouco mais...

Hipatia disse...

E, no entanto, Marta, uma das opiniões que mais gostei de ler pertencem a um padre. É que, como em tudo e apesar da posição "organizada", no fim sobram as pessoas. E essas, felizmente, conseguem ser bem mais interessantes e inteligentes do que a populaça acéfala. Se quiseres, podes ler também aqui:

http://dn.sapo.pt/2007/01/21/opiniao/referendo_sobre_o_aborto.html

Anónimo disse...

;)
Desde menina que me habituei a ouvir a minha vó: "estuda, filha, estuda muito, arranja o teu emprego, a tua vida. nunca dependas de ninguém!".
É. A minha vó, que conta agora 90 primaveras, lá o sabia, que o sentiu na pele, a dependência imposta até por lei.
E ainda outro dia me contava a minha mãe que quando foi registar o primeiro carro que os meus pais compraram, o não pode fazer em seu nome, precisava de uma autorização do marido! E o carro podia ficar registado em nome de um ou outro, que eram casados e era bem comum...

Um longo caminho, minha querida, um longo caminho ainda falta percorrer. Até as Perpétuas todas deixarem de existir. Temo-as mais que aos homens machistas e retrógrados.

Hipatia disse...

Eu não sei se algum dia deixam de existir Perpétuas. É que, como em tudo, para cada dependência ou para cada fanatismo imposto, há sempre muita dependência e muito fanatismo escolhido. Faz parte de uma certa forma de estar, acho. Neste nosso Portugalinho, até está instituído sob a forma de chupanços vários e as diferentes tetas a que, tantos, preferem continuar amarrados.

Mas uma coisa é certa: a independência feminina ainda causa muitos engulhos e, se já não abertamente imposta, trata-se de a tentar preservar ainda de qualquer maneira. Nem que seja fomentando "leituras" que continuam a encarar a mulher como a puta que deu a maçã ao santo ou então um ser inferior e coitadinho, sem capacidade de decisão. E o pior é que há muitas que ainda deixam!