2007-05-17

Seis graus


aqui

I read somewhere that everybody on this planet is separated by only six other people. Six degrees of separation between us and everyone else on this planet. The President of the United States, a gondolier in Venice, just fill in the names. I find it extremely comforting that we're so close. I also find it like Chinese water torture, that we're so close because you have to find the right six people to make the right connection... I am bound, you are bound, to everyone on this planet by a trail of six people.

John Guare – Six Degrees of Separation

Quando estava a estudar, um professor falou-me pela primeira vez da teoria do número Erdös dos matemáticos e no "small world problem", de Stanley Milgram. Depois apareceu a peça de John Guare e os tais seis graus que nos separam de toda a gente no Mundo e depois ainda o filme de Hollywood com Will Smith…

E confesso que, desde o início, achei o tema profundamente interessante: não importa o tamanho do nosso ego, nem as assunções snobes de quantas pessoas "conhecidas" com quem afirmamos ter tido contacto, ou sequer o poucochinho que por vezes nos vemos no meio da selva social, estamos todos a seis graus de distância de qualquer pessoa no Mundo e esse Mundo, cada vez mais populoso, está na prática a encolher face às possibilidades comunicacionais que nos transformam a todos num número médio de uma rede.

Cada vez que aparece um post em rede nos blogues é disso que me lembro. Cada vez que nomeiam a Voz e eu nomeio mais não sei quantos, dou por mim a seguir os links, não necessariamente aqueles que já conheço, antes aqueles de que nunca ouvi falar. E percebo que, afinal, estamos todos demasiado perto, assustadoramente perto, tão perto que pode ser claustrofóbico. John Guare tem razão: se há dias em que esta uniformidade e proximidade pode chegar a ser reconfortante, noutras alturas é tortura chinesa da mais requintada.

15 comentários:

vanus disse...

Pá não me digas que a novela da tarde, teve hoje um episódio dramático? :PPP

TheOldMan disse...

Estamos tão perto ou tão longe dos outros quanto o quisermos, Hipatia.

Algumas das pessoas estão apenas à distância de um sorriso; aos outros basta apenas mostrar alguma coisita que queiram...

;-)

Hipatia disse...

Não :) Mas acabei de ver agora na televisão um fulano que, aos 17 anos, quando nos conhecemos, era de babar e sobre quem os anos não foram nada meigos: está um mostrengo feio, com a cara em obras, que quase não o reconheci. Não há "escala Warhol" que resista a uma coisa destas, pá!

;-)

Hipatia disse...

Tens razão, se pensarmos que as nossas relações e as distâncias que mantemos são da nossa exclusiva vontade. Mas a claustrofobia advém do facto de sermos muitas vezes elos nas cadeias de alucinação de outros ;-)

Anónimo disse...

Nem sempre são "da nossa exclusiva vontade", hipatia.

Mas deves ter razão qd falas da "alucinação de outros".

Hipatia disse...

Há muitas formas de exercermos a nossa vontade. Podem dar mais ou menos trabalho e podemos estar ou não virados para isso.

Quanto à alucinação, tinha usado a palavra ali em cima no sentido de "devaneio". Mas também pode ser das outras, lá isso é verdade.

E só não chego a perceber o porquê do anonimato para dizer uma coisinha tão simples, lol

vanus disse...

Lol, já fui cuscar, realmente é de rebolar a rir, especialmente as derivações do outro. o pessoal não se enxerga ;)

vanus disse...

olha vai lá aquele mail onde me tens que te mandei aquela coisa

Hipatia disse...

Não mesmo :D E, estás a ver, apesar do cocktail mágico eu nem estava a exagerar ;-)

E já fui ver do outro. LOL! Deixa que te diga que eu arranjava alvos bem mais interessantes, mas enfim... Além de que me cheira que uma das gajas só é gaja na blogocoisa :D

Erecteu disse...

Hipa, miga,
O teu Erecteu, parece qu'é cego.
Andei d'arriba abajo e nada! Seja ceguinho,

Quanto ao hexagono... tou à espera. A minha net deve tar lenta.

Bjs.

Hipatia disse...

No post do meme, no dia 9 de Maio, está esta frase:

"(Bem podem dizer que é batota e coisa e tal, mas a verdade é que quero ver o "meme" desta gente toda. E pronto!)"

Ora experimenta clicar em cima da palavra batota e vê lá onde vais dar.

jp disse...

-eu continuo a dizer que mais vale sê-lo que parece-lo
-significa que continuo a nadar de costas, e isso é óptimo prá coluna
-a malta só se sente claustrofóbica quando liga a merdas que nem se devia dar ao trabalho de ler, enovelar-se em batalhazinhas que na vida real até virava costas.
-valorizar demais o que os outros escrevem ou pensam que escrevem é perder horinhas em que devias estar de papo para o ar de mão dada com o loiro
- e para não variar tou completamente de acordo com o Old, mas isso tb não interessa a ponta de um corno
- e ires fazer birras pra tasca do erecteu, qd nem um ar da tua graça deste na minha...vai lá vai...

Hipatia disse...

A birra tinha motivo: nomeei o Erecteu quando te nomeei a ti, mas ele não me ligou nenhum.

Quanto a este, é menos grave do que estás a supor. Tem a ver com os seis graus a que alguns acham que estão, não estando, e a petulância com que o afirmam ;-)

vague disse...

este tema merecia ficar em destaque mais tempo - o tema sugere tantas pistas. pode ser q fales de novo nele.:)

Hipatia disse...

Esteve um diazito inteiro, Vague Maria. Se havia pistas, quem quis já as seguiu, não te parece?

;-)

beijo