2010-03-08

Acidente

aqui


Palavras amestradas ou agrestes, doces ou iradas. Palavras estilhaçadas, sem desígnios novos ou resignadas. Palavras à espera. Palavras suspensas. Palavras prenhes de simbolismo. Palavras-vertigem. Palavras-carinho. Palavras em confessionário asséptico e vazio, teia ressequida de desencontros. Palavras-ponte. Palavras em riste, amargas. Palavras exageradas. Palavras brutas. Palavras-arma. Palavras a precisarem de rumo. Palavras-desculpa. Palavras-mulher, a ovular ciclos de humores e desenganos. Palavras esbarradas neste dia.

4 comentários:

PreDatado disse...

Liberdade(s) de expressão. Liberdade é uma palavra feminina.

Hipatia disse...

É sim, Pre. E repara como é facilmente espezinhada.

Paulo Abreu e Lima disse...

Palavras que mudam o mundo não há! Só actos e atitudes e inevitáveis conflitos.

(Liberdade, tão frágil, tão pedinte de compreensão; tão tensa, cruel e difícil. Será utopia...?)

Hipatia disse...

Não concordo, Paulo. Há palavras que podem mudar o mundo pelo poder mobilizador, ou destruidor, ou catártico dos seus significados. Na voz apropriada, têm toda a força dos actos e atitudes, quer os bons, quer os maus.

E a liberdade é um vício e uma espoleta: nunca nos chega a conquistada; queremos sempre mais, mesmo quando esbarramos na utopia.