2007-11-17

Ouve, minha amiga






Ouve, meu amigo
põe a máquina a gravar
queria só explicar aqui
que eu sou como o pano-cru
como pano-cru
eu ainda estou por acabar
e como o linho vem da terra
assim viemos eu e tu
e como tu eu faço e amo
e luto e dou
e como tu eu estou
entre aquilo que já fiz
e aquilo que eu fizer
eu sou de pano-cru



Pensavas que me esquecia de ti? Pensavas que aqui a Voz ficava sem palavras no dia de te dar os parabéns?

Somos pano-cru, ainda à espera de acontecer, mesmo que moldado por tudo o que já foi. E em cada ano que passa, mais tela em branco à espera do que é e do que será, para continuarmos a dar e receber tudo o que a vida nos trouxer.

Parabéns, minha amiga.





(e, sim, o link vai para a casa silenciosa)

4 comentários:

maria_arvore disse...

Ó minha grande amiga Hipatia,
muito obrigada por todas estas linhas que não deixam passar em branco. :)))

Que em branco já chega a minha cabecita talvez fruto da PDI. ;)Talvez estas noites brancas de hibernação com o teu alento voltem a ter voz. :))

Um beijão de obrigada. :)

Hipatia disse...

Sabes bem que estou sempre à espera que a tua página branca volte a ser tingida.

(deve ser por isso que escolhi uma página azul escuro, lol)

Parabéns!

maria_arvore disse...

Bem... eu gosto de branco. ;)

(ou seja, não confirmo nem desminto ;); logo se vê!)

Hipatia disse...

A gente espera :)