2008-02-29

Das ausências

Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.


Carlos Drummond de Andrade


(A ver se este fim-de-semana dá para pôr em dia as minhas ausências...)

6 comentários:

Cris disse...

Oi, Hipatia. Também preciso colocar em dia algumas aus~encias fraternas. Porisso estou aquí.
beijão.

The F Word disse...

Convém. Somos responsáveis por aqueles que cativamos, não é?

Bj.

vague disse...

A ausência como falta?
nem sempre, amiga. Tem dias que ela é tão cheia...
pois é.

Hipatia disse...

Eu tenho andado a exagerar, Cris :))

:*

Hipatia disse...

Ui! Não sei se quero (mais) essa responsabilidade. Mas tenho andado completamente sem tempo. Mesmo agora, só estou aqui porque o meu Boavista não se decide a marcar o golo que falta ao Porto :))

Hipatia disse...

Pois. A ausência nem sempre é falta. Pode ser bem mais do que isso. E é então que se torna plena, mesmo quando aflitivamente plena.