2006-03-08

Esfumado

You dance real slow
And you wreck it down
Walk away and you turn around
What did that old blonde guy say
That’s the part you throw away

I want that beggar’s eyes
The winning horse
A tidy Mexican divorce
St. Mary’s prayers, Houdini’s hands
And a barman who always understands

Will you loose the flowers
Hold on to the vase?
Will you wipe all those teardrops away from your face?
And I can’t help feeling as I close the door
I have done all of this many times before

The bone must go
The wish can stay
A kiss don’t know what the lips will say
Forget I ever hurt you
Put stones in our bed
Remember to never mind instead

But all of your letters burned up in the fire
And time is just memory mixed with desire
That’s not the road; It’s only the map, I say
Gone just like matches from a closed down cabaret

In a Portuguese saloon
A fly is circling round the room
You’ll soon forget the tune that they play
For that’s the part you throw away
For that’s the part you throw away


Ute Lemper - The Part You Throw Away
(de Tom Waits e Kathleen Brennan)


E enquanto o tempo se mistura com a memória e o desejo, incendeiam-se as cartas que nunca foram escritas. Contam, como sempre, a parte deitada fora, enquanto se esforçam por esquecer o que doeu. Arrastam-se vozes num quase choro, bebendo o golo sôfrego de um copo nuns dias meio cheio, noutros dias meio vazio. E vazam-se letras, que se substituem a beijos, em lábios mudos, como quem fecha mais uma porta, ritual repetido. Querem tudo. Tudo! Mas a alma está cansada. E a música toca ainda, vai rodando, inebriante. Arrastam-se as palavras, como se arrastam os acordes. Esvoaça o fumo de mais um cigarro e tudo se vai transformando em pó. Deita-se fora a dor e o alento vai junto. É fado. É a vida feita cabaré, onde acordes lentos contam, com lassidão, mais um rumo desperdiçado. Que haja um barman para ouvir as histórias, enquanto mais uma lágrima escorrega por cada face para ir salgar a bebida forte, que queima as gargantas quase tanto como os gritos silenciados. Borboletas cegas pela luz, esperam ainda ter asas ao raiar do dia. E contabilizar, por fim, o que sobrou.

3 comentários:

jp disse...

A Ute é fabulosa
estas palavras escritas em fuga também

Hipatia disse...

A Ute Lemper, o Tom Waits e a Kathleen Brennan. Confesso que esta canção me arrepia :))

Anónimo disse...

Mais Vozes

Lembro-me de parte de uma letra de Leonard Cohen que diz algures isto, num adeus qualquer

"your story was so long
the plot was so intense"

(e as cartas que releste
as lágrimas que queimaram os olhos)

e a sensação que tenho quando a oiço é que há amores que levamos cá dentro para sempre mesmo que as evidências ou aparências desdigam esse imemorial amor.

Gostei do teu texto e todo o ambiente para que remete, o cabaret de Ute Lemper, os amores envoltos em fumo, em ingenuidade e paixão, em aparências e enganos e às vezes verdades que não se podem aceitar.
vague | Homepage | 03.08.06 - 7:13 pm | #

--------------------------------------------------------------------------------

Nem sempre são só os amores que levamos cá por dentro. É toda a vida. E há dias em que não podemos deixar de cobiçar a parte que deitamos fora. É que o jardim do vizinho é sempre mais verde do que o nosso, não é? Mesmo que seja apenas da nossa responsabilidade a escolha da erva e até das ervas daninhas que não quisemos ou soubemos amputar...
Hipatia | Homepage | 03.08.06 - 11:45 pm | #

--------------------------------------------------------------------------------

Do outro lado, a relva é sempre mais verde


Quando num amor cabe a vida toda não pq a vida seja só esse amor mas pq é ele q dá sentido à vida dou um nome: milagre.

E às vezes acontece-nos. E às vezes não. E às vezes procuramo-lo arriscando o presente banal, a vida que não empolga, a relação que perdeu a chama.

E há aquele poema de quem não me lembro, q diz assim

' sometimes I wanted to thrown you away like an old coat
(...)
but now that you're gone, I think how warm that coat used to be'

Eu acredito no milagre E no amor acredito tb em fatalidade, em sim porque sim.

Um beijo*
vague | Homepage | 03.09.06 - 7:13 pm | #

--------------------------------------------------------------------------------

Acho que é sina, sim. Demasiadas vezes Não porque goste de acreditar em fado, mas antes porque parece que o fado quer acreditar em mim Mas podemos sempre fazer muito com o que sobra: melhor ou pior, sobramos sempre nós e isso, afinal, é tudo o que é preciso

Beijo
Hipatia | Homepage | 03.09.06 - 7:41 pm | #

--------------------------------------------------------------------------------

É. Como dia a Katherine Hepburn, 'eu sou a única pessoa que vai viver comigo o resto da minha vida'

Ag é q é: bom fim de semana ***
vague | Homepage | 03.10.06 - 5:29 pm | #

--------------------------------------------------------------------------------

Sem dúvida, Vague. E se não somos capazes de nos aturar, ninguém fará o frete por nós

Beijo
Hipatia | Homepage | 03.12.06 - 9:52 pm | #