2009-01-19

Austrália


aqui

Ia preparada para o pior, admito. Até tomei café antes e tudo, que uma estucha de três horas era bem capaz de dar cabo do resto da noite e, depois do ronco, podia já não dar vontade de ir a outro lado. Não que depois tivesse corrido bem, mas nessa altura não sabia e como tinha enchido bem a barriga de rodízio à brasileira, o café – também era só o que ainda cabia – foi à guisa de prevenção, que à noite e com já uns 5 ou 6 cimbalinos no bucho, sou mocinha para se dedicar ao horrível descafeinado só para não ficar com o gosto da comida na boca.

Mas como estava a dizer, fui prevenida e preparei-me para o pior. O pior, comparativamente, seria o pavoroso, indecentemente mau The Day the Earth Stood Still. Ai sim, tinha-me parado tudo e ainda choro o dinheiro do bilhete. De qualquer forma, o Jackman é mais papável do que o Reeves e ainda não lhe passou mais do que um corta-relva pelo peito o que, convenhamos, começa a ser caso raro lá para as bandas de Hollywood. As modas, afinal, não chegam ao mesmo tempo a todo o lado e, no outback e com um look à Terence Hill também não me parecia lá muito bem se o homem surgisse completamente depenado. Benza-os-deuses que aparece muito compostinho. Muito, muito compostinho. A cena do banhito, então, é do melhor, não num sentido de grande cena de cinema, mas pelo menos no sentido de grande cena de agora-comia-te-todo-e-ainda-lambia-os-beiços. Sim, que pelo menos nestas coisas as gajas andam agora muito mais bem servidas de cena erótica que lhes agrada realmente e onde o gajo não tem apenas que montar a gaja ainda vestido enquanto ela geme e mostra bem as mamas.

Pois foi assim que não adormeci. E também não tive vontade. E mais verdade é que o filme tem uma historinha que benza-os-deuses não lembra a ninguém. E também não chego a entender porque não acabaram a coisa quando o puto meteu a última vaca no navio. Estava ali um rico filme pipoca, se se tivesse quedado por lá, sem grandes pretensões mas com acção q.b. e o Jackman já tinha tomado banho. O problema é que o filme não acaba nas vacas e resolve inventar mais um bocadinho. E espalha-se ao comprido, mas ainda assim não é para dormir. Com tanta crítica a dar em cima, temi mesmo pelo pior. É mauzito, sim senhores. Mas há por ai coisas bem piores.

Ainda não foi desta que bati o ronco que tirei no Broken Arrow.

10 comentários:

maria_arvore disse...

:)))

Como ainda não o vi, fiquei ciente pela tua crítica de o deixar mesmo de lado. :) Porque só o banhito não me parece valer as 3 horas.;)

Filipa disse...

Ora, eu dos filmes que por aí andam, é o que me falta ver. De resto vi o "Ensaio" "A Troca" e o "Benjamim Botão".
"A Troca" vai à frente e vai ser difícil ser ultrapassada. Já o viste?
O Botão é engraçado sim. Boa caracterização e interpretação. Vale a pena ver, mas NUNCA antes d'"A Troca", hã!

beijo grande e boa semana

Hipatia disse...

Acho que é daqueles que vais ver lindamente no aconchego do teu sofá um dia destes. Apesar das críticas - e da duração - vê-se bem.

Hipatia disse...

Sabes, não gostei particularmente do "Changeling". Acho que fica aquém do que o Clint Eastwood nos tem dado (estou à espera do Gran Torino). A melhor crítica que li ao filme foi da I e identifico-me com ela: não está mal, mas se voltava a ver a Angelina a gritar "I want my son" acho que me dava uma coisinha.

Gostei mais do "Benjamin Button". É um belo exercício sobre o tempo e talvez porque ande numa fase em que o tempo é tema que me bate, gostei. Pronto. Até já ali o tenho em DVD e tudo para voltar a ver.

Vi o "Easy Virtue", porque o realizador é o mesmo de um dos meus filmes fetiche ("The Adventures of Priscilla, Queen of the Desert", o primeiro filme onde vi o Hugo Weaving e o Guy Pearce) e é o que é: umas cenas muito bem conseguidas, o Colin Firth só porque sim e a Kristen Scott-Thomas é sempre uma Lady. Conseguiu fazer-me rir mais do que uma vez, o que já é bem bom, porque pretendia mesmo fazer-me rir, ao contrário da maioria dos filmes em que me rio porque não têm mesmo piadinha nenhuma nem queriam ter.

Quarta-feira está combinado uma ida de miúdas ver o "Sete Vidas". Depois logo direi o que penso, se merecer tamanho esforço.

A ver se vou ver o "Paris 36" antes de se ir embora. Não deve ser filme de ficar muito tempo no cinema. E também "A Valsa com Bashir".

Estou à espera do resto: o "Em Bruges", nem que fosse só por causa do Ralph Finnes, que também entra no outro em que a Kate Winslet ganhou o globo para actriz secundária (duvido que me apanhem no "Revolutionary Road") e obviamente o "Religulous" se chegar ao Porto, porque sou fã do Bill Maher, especialmente quando se põe a desancar na religião.

Como podes ver, lista não falta :D

I. disse...

Tal e qual, tal e qual. Mas ele anda mesmo mesmo compostinho, e é o que vale. Também tive a sensação que o filme acabava bem na cena do embarque das vaquinhas. Na altura pensei o que raio vai agora o tipo inventar, e balhamedeus que foi pior que a encomenda.

A Troca desiludiu-me, copia o estilo do Mystic River e Million Dollar Baby (os mesmos filtros, lol), e a Jolie deve ser o pior erro de casting do Clint, tadinho. Adorei o Benjamin Button, fartei-me de chorar, canrão do Fincher. E quero bué ver a Valsa com Bashir, mas este fim de semana já foi recheado de filmes deprimentes :D fica para o próximo.
Quanto ao Religulous, acho que só nos safamos na net :(

Hipatia disse...

Não! O pior erro de casting é mesmo todo o casting, lol. Mas quem terá escolhido aquela gente?

No cinema, ao ver o "Benjamin Button", portei-me bem e sai de lá completamente engasgada com um soluço tremendo. É por isso que já o tenho ali, para um sábado destes, embrulhada numa mantinha bem quente, rever enquanto lavo a alma.

Segundo o Cinecartaz, o "Religulous" está previsto estrear em sala. Bem sei que isso às vezes não quer dizer nada, mas por uma vez gostava que acertassem.

_ba_ disse...

Fui ver este filme antes do fim do ano e acho que é grande em demasia, ou seja, podiam contar isto em menos tempo e depois temos uns maravilhosos intervalos (7 minutos) que também cortam o ritmo, ou pior, acentuam a falta dele :p
Sim o Hugh é muito jeitoso, sim a Nicole também é muito gira mas não achei (aliás achámos) nada do outro mundo...e claro que lá deixei (deixámos) cair uma lagrimita no final quando a criança lá resolve ir à "sua vidinha".
Quando vi isto lembrei-me do Cold Mountain pois também dura, dura, dura e aquilo nem ata nem desata mas ao menos neste sempre temos algum "contacto" :p
(e estou desejosa de ir ver o Botão :p)

Toze disse...

Ver um gajo a tomar banho !!!
Não vou.

Mas fui ver excelentes filmes, como o Benjamim (que mais tarde irei rever) não fosse o tempo a nossa vida, esse tempo sem tempo para parar! Uma das partes que mais me apetece rever, que são os acasos da nossa própria existência (o acidente)

"A Troca" foi uma surpresa agradavel, gostei, embora seja um filme feito para Óscares ( só espero que a Jolie não o ganhe)A cena da forca pareceu-me uma cópia do "Dancing in the Dark" com a Bjork

"A Onda" Filme alemão de Denis Gansel, O filme é baseado numa história real, mostra as consequências do que pretendia ser um inofensivo projecto escolar. Um filme brutal que dá muito em que pensar ! A meu ver; Um filme a ser debatido na sala de aulas.

Eu volto com mais filmes :)))

Hipatia disse...

Vai ver o Botão que vais gostar, Ba. E também é bem capaz de te fazer (fazer-vos) saltar a lagriminha. No caso, bem mais merecida do que neste, lol. Mas vai num bom dia. O filme bate, se estiveres em dia de o deixar bater.

Hipatia disse...

Não vi o "A Onda" e, pelos vistos, é algo que vou ter de resolver. Só está no Arrábida e no Mar-Shopping. Não me apetece ter de ir nem a um nem ao outro. A ver se vem para outro ou então esperar que se arranjem legendas decentes para o torrent ;-)