2009-01-03

Relativizando


aqui

Contava-me a minha irmã que tinha saído à pressa e bastante incomodada do supermercado, a tal ponto que algumas coisas importantes tinham ficado por comprar. Perguntei-lhe o que se tinha passado e respondeu-me que, enquanto estava na zona dos congelados, uma mulher perto dela tinha metido uma embalagem de filetes de peixe e outra de legumes ultracongelados na parte de trás das calças, escondidas pelo casaco. Todas as minhas noções de certo e errado vieram à tona e perguntei indignada à minha irmã porque não tinha feito qualquer coisa, porque não tinha chamado a atenção para o roubo, porque se limitara a virar costas. Respondeu-me com um simples mas enfático "era comida!" Pois era comida! E os meus certos e errados bateram em retirada.

11 comentários:

PreDatado disse...

E os meus estão em parafuso.

Hipatia disse...

Depois das festas, sobra isto? Será que exageraram antes ao ponto de não haver para mais agora, com o fim do mês tão longe? Ou será que já nem havia antes? Mas, sim, era comida. E nem sequer da mais cara, o que me leva a supor que era mais do que comida: era fome :(

mfc disse...

Se fosse administradora executiva de um banco daria uma entrevista na tv a explicar que não tinha feito nada e que reprovava qualquer acto do género!

Hipatia disse...

E se fosse um daqueles administradores reformados por invalidez na CGD que agora estão em outros grupos financeiros diria o quê?

maria_arvore disse...

Só roubou comida para comer, desculpa o pleonasmo, e se eu tivesse assistido honestamente só ficava preocupada que chegasse às caixas e saísse sem que ninguém desse conta de nada. Só espero que tenha sido numa supermercado de uma cadeia daquelas que se fartam de roubar nas horas que pagam aos funcionários e não num mini-mercado de bairro.

Quando para além dos casos já referidos nos comentários há o exemplo de um Vale e Azevedo feliz da vida, só me atormenta a pobreza que grassa no nosso país e que faz com que até em Almada já haja sem-abrigos a dormir debaixo de arcadas. Só posso relativizar que roubar para comer é um acto de sobrevivência numa sociedade que nos rouba tudo.

Hipatia disse...

Já vi roubar em supermercados. Acontece normalmente na zona dos perfumes e afins. Acho que nunca vi roubar comida. E talvez até estranhe isso mesmo: há tanta gente com fome, que me parece que vamos todos ver muito mais disto nos tempos que se aproximam. E os certos e os errados ficam relativos, ainda que me tenha lembrado várias vezes da história de uma velhinha que, aqui há uns tempos, fez as notícias porque ganhou a causa contra um desses supermercados que a tentou acusar de roubar um creme para as rugas.

Adoa disse...

Já vi muita gente a tirar dos contentores do lixo... e näo pareciam preocupadas... foi em pleno dia, e com o casaco de imitacäo de pele posto...

Hipatia disse...

Mas esses não andam a roubar, não é? E por causa desses, mesmo que relativizemos muita coisa, não chegamos a questionar o próprio conceito de roubo.

I. disse...

Nunca vi ninguém a roubar comida. A verdade é que nunca vi ninguém roubar nada no hiper, que sou uma despassarada do pior. Mas comida... não conseguia denunciar. :/

Hipatia disse...

E nem sequer era comida da mais cara. Dá mesmo para pensar, não é?

Anónimo disse...

Mais Vozes

Por aqui dificilmente se arranja uma casita com rendas abaixo dos 300 euros ,os ordenaditos que ainda se vão encontrando chegam por vezes a atingir os 500 , certo é que ainda não vejo esqueletos a ir trabalhar, mas não deixa de me confundir esta aritmética praticada por muito boa gente .
frogas | 01.03.09 - 8:52 pm | #

--------------------------------------------------------------------------------

Eu também não entendo. Especialmente quando tantos não se privam do que para mim seria óbvio e depois não têm para a comida.
Hipatia | Homepage | 01.03.09 - 9:05 pm | #

--------------------------------------------------------------------------------

dá que pensar, dá... infelizmente também não sei se denunciaria a sra....
fabulosa | Homepage | 01.05.09 - 7:49 pm | #

--------------------------------------------------------------------------------

A minha irmã não denunciou. Eu confesso que não sei. Mas acho que ia ficar tão aparvalhada que também não denunciava. De qualquer forma, a maneira como a minha irmã me contou a história mandou ao ar todas as minhas certezas.
Hipatia | Homepage | 01.05.09 - 9:00 pm | #